HomeFilmes e SeriesAs 10 Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico 'Free Willy' dos Anos...

Posts Relacionados

As 10 Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico ‘Free Willy’ dos Anos 90.

As Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico “Free Willy” dos Anos 90

Ah, Free Willy! Aquele filme clássico dos anos 90 que conquistou o coração de toda uma geração com sua história tocante de amizade entre um garoto e uma orca. Mas você sabia que por trás dessa história adorável existem revelações realmente surpreendentes? Pois é, meus amigos, este clássico dos cinemas tem muito mais a contar do que simplesmente a luta pela liberdade de Willy, a famosa orca do filme.

Contexto:

A dificuldade em encontrar a orca certa para o papel – A produção precisou testar nada menos que 23 orcas diferentes antes de encontrar Keiko, a orca que interpretaria Willy. Infelizmente, a maioria delas pertencia ao polêmico parque Sea World, que se recusou a ceder seus animais por causa da mensagem do filme.

A vida sofrida da orca Keiko antes das filmagens – Keiko, o protagonista animal de Free Willy, tinha um passado muito complicado. Ele foi capturado na Islândia, vendido a diversos aquários e parques, e chegou a ser treinado de forma rudimentar para apresentações ao vivo, o que lhe causou ferimentos na pele.

A polêmica após o sucesso do filme – Com a repercussão do filme, a situação de Keiko veio à tona, levando à criação da Free Keiko Foundation. Isso resultou na transferência do animal para os Estados Unidos, onde ele passou a viver em melhores condições. Porém, a tentativa de reintroduzi-lo ao oceano acabou sendo um fracasso histórico.

A Difícil Jornada de Keiko

As 10 Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico 'Free Willy' dos Anos 90.
As 10 Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico ‘Free Willy’ dos Anos 90.
Quando a produção de Free Willy começou, eles fizeram testes com 23 orcas diferentes para o papel principal. Desse total, 21 delas pertenciam ao polêmico parque Sea World. No entanto, ao saberem da mensagem por trás do filme, os executivos do parque se recusaram a ceder seus animais. Eles até mesmo tentaram negociar com a produção, exigindo que o final do filme fosse alterado, o que não foi aceito.

Dessa forma, a produção acabou encontrando a orca Keiko, que vivia no parque mexicano Reino Aventura. Apesar de Keiko ser dócil e ter familiaridade com o contato humano, a vida dele naquele lugar era muito complicada. O animal tinha uma série de lesões na pele e estava em um tanque muito menor do que o adequado para seu tamanho.

Antes de se tornar “ator” em Free Willy, Keiko já havia passado por diversos abusos. Ele foi capturado na Islândia no final dos anos 70 e vendido a um aquário local. Mais tarde, foi transferido para o MarineLand, no Canadá, onde foi treinado de forma rudimentar para apresentações ao vivo, o que lhe causou machucados. Por estar com um visual “feio”, acabou sendo vendido para o Reino Aventura, no México, onde foi escalado para interpretar o Willy.

A Polêmica Após o Sucesso do Filme

Com o estrondoso sucesso de Free Willy, a situação de seu protagonista animal foi trazida à tona. Como o filme falava sobre a libertação das orcas desses parques, foi criada a Free Keiko Foundation, que contou com o apoio da Warner. Mais de 20 milhões de dólares foram arrecadados para encontrar um lugar melhor para Keiko viver.

Então, um tanque com dimensões adequadas foi construído no Oregon Coast Aquarium, e Keiko foi transferido para lá. Lá, o animal começou a ganhar peso e a ter contato com a água do mar. Diante disso, organizações começaram a pressionar para que Keiko fosse libertado no oceano, onde deveria viver livre.

No entanto, libertar uma orca que havia passado praticamente a vida inteira em cativeiro envolvia uma série de questões de adaptação. Mesmo assim, o processo de reinserção foi iniciado, com toda a polêmica que envolvia o caso. Assim, Keiko foi finalmente libertado no mar em 2002.

O Fracasso da Tentativa de Liberdade

As 10 Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico 'Free Willy' dos Anos 90.
As 10 Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico ‘Free Willy’ dos Anos 90.
Infelizmente, a tentativa de reintegrar Keiko à vida selvagem não teve o final feliz que se esperava. Após ser libertado, a orca não conseguiu “se enturmar” com outras orcas e começou a nadar atrás de contato humano. Triste, Keiko acabou morrendo solitário, aos 27 anos, por um caso de pneumonia em 2003. O caso é considerado como um fracasso histórico.

Em 2014, Mark Williams, ex-instrutor do Sea World e treinador de Keiko no filme, lançou o livro “Killing Keiko: The True Story of Free Willy’s Return to the Wild”. Nele, foi revelado que a libertação de Keiko nunca foi feita visando o bem-estar do animal, mas uma resposta à pressão de diversas organizações que queriam vender ao público um final digno de Hollywood. Segundo o livro, a orca se instalou nas praias da Noruega após ser rejeitada por sua própria espécie, brincando com crianças e buscando recompensas nas pessoas, pois não sabia caçar peixes.

O Uso de Animatrônicos Realistas

Apesar das tribulações envolvendo Keiko, o filme Free Willy conseguiu alcançar um nível de realismo impressionante nas cenas com a orca. Para evitar o estresse do animal, todas as cenas de close e fora d’água foram gravadas por um animatrônico hiper-realista. O resultado foi tão satisfatório que eles jamais usaram outra orca como “ator” na franquia após o Keiko.

O realismo desses animatrônicos era tão grande que chegou a confundir muitas pessoas ao redor do mundo, que acharam que a produção tinha mesmo exposto a orca às cenas fora d’água. Para o filme, foram construídos dois animatrônicos diferentes, um apenas com a parte superior da baleia e outro emborrachado em tamanho real, que chegou a “conquistar” o próprio Keiko, que demonstrou “interesse amoroso” pelo boneco.

As Mudanças no Roteiro Original

As 10 Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico 'Free Willy' dos Anos 90.
As 10 Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico ‘Free Willy’ dos Anos 90.
Como de costume em Hollywood, o roteiro de Free Willy passou por uma série de alterações. Na versão original, o menino Jesse seria um inocente garotinho mudo de dez anos, criado por freiras em um convento. Porém, o estúdio achou que essa versão estava “irritantemente inocente e melosa”, então solicitou uma mudança drástica na personalidade do personagem.

Assim, Jesse foi reescrito como um garoto mais malandro, se adaptando aos pais adotivos aos 12 anos de idade. Para dar vida a esse novo Jesse, a produção fez testes com mais de 4 mil jovens atores, incluindo nomes consagrados da atuação jovem, como Alex Vincent, o Andy da franquia Brinquedo Assassino. Desses, foi escolhido o novato Jason James Richter para protagonizar a história.

O Sucesso Inesperado

As 10 Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico 'Free Willy' dos Anos 90.
As 10 Revelações Surpreendentes por Trás do Clássico ‘Free Willy’ dos Anos 90.
Apesar das críticas mistas da imprensa especializada, Free Willy se transformou em um sucesso absurdo, arrecadando mais de 150 milhões de dólares em bilheteria. Curioso é que seu orçamento foi estimado em aproximadamente 20 milhões de dólares, o mesmo valor que a Free Keiko Foundation angariou para a transferência de Keiko para o aquário nos EUA.

O filme, que começou com uma mensagem pela liberdade animal, acabou rendendo uma franquia completa, com mais três filmes lançados depois do original. Mesmo com todas as polêmicas e revelaçõ
es surpreendentes que envolveram seu protagonista animal, Free Willy permanece como um clássico dos anos 90 que encantou gerações com sua história tocante.

Fonte: [https://cinepop.com.br/10-curiosidades-de-free-willy-classico-dos-anos-90-que-virou-franquia-481033/](https://cinepop.com.br/10-curiosidades-de-free-willy-classico-dos-anos-90-que-virou-franquia-481033/)

Últimos artigos